Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Junho, 2010

Nesta altura do ano, uma grande parte dos pais encontra-se empenhada nos preparativos para férias ou já se encontra nelas. Contudo, os pais devem pensar em optar por locais apraziveis, e bem vigiados (actualmente pode escolher-se entre frequentar praias do litoral, do interior ou piscinas) onde exista a possibilidade das crianças (as suas e as outras) interagirem de modo a brincarem umas com as outras.

Se os adultos procuram essencialmente descansar, carregar “baterias” e quebrar rotinas do dia-a-dia, as crianças sentem falta de diversão, companhia, novas experiências e muito afecto … e os pais devem ter cuidados especiais com as crianças, para que não tenham surpresas desagradáveis, tais como:
– Evitar sempre as horas de maior calor (entre as 11 e as 16 horas): dirija-se à praia, com elas na parte da manhã, cedinho e à tarde quando a incidência dos raios solares é mais fraca;
– Aplicar-lhes sempre um creme com factor de protecção igual ou superior a 25, se a pele for branca, se for morena igual ou superior a 20;
– Ter o cuidado de oferecer bastantes líquidos (água, sumos naturais, chás frescos…) com relativa frequência, para evitar a desidratação provocada, em parte, pela excessiva transpiração devido ao calor. São de evitar as bebidas gaseificadas, com cafeína ou ricas em açúcar porque podem agravar a desidratação;
– Ter em atenção que as crianças até à idade de um ano devem estar pouco tempo na praia ou na piscina e sempre à sombra;
– Após esta idade, as crianças já podem estar ao sol, mas não devem ficar paradas, usando sempre chapéu e camisa de algodão;
– Deve evitar-se deixar as crianças completamente nuas na praia, pois a areia nem sempre está limpa, podendo causar irritações ou infecções cutâneas;
– Evitar a permanência de crianças em viaturas estacionadas ao sol;
– Não colocar nas crianças perfume, nem outros cosméticos que tenham álcool.
– Após exposição solar, basta apenas um creme hidratante normal. Os leites e loções pós-solares além da hidratação têm como objectivo prolongar o bronzeado, o que não faz muita falta a uma criança. Também refrescam e acalmam a pele depois de um “escaldão”, mas se a criança necessitar desta acção é porque algo na protecção falhou;
– Ter em atenção os dias de calor mais intenso: as vagas de calor.
– Não esquecer que mesmo em dias enevoados há perigo de queimaduras solares, pois até 80% da radiação ultravioleta (UV) pássa através das nuvens.

https://i2.wp.com/www.sempremotivado.com.br/wp-content/uploads/2009/07/praia.jpg

No que diz respeito à prevenção de afogamentos que, infelizmente, são um acontecimento frequente devem ser tomadas as seguintes medidas:

– Vigiar atenta e permanentemente as crianças e nunca as deixar sozinhas;
– Utilizar sempre dispositivos de segurança, como por exemplo: bóias, braçadeiras e coletes, adaptadas à idade;
– Ensinar as crianças a nadar o mais cedo possível;
– Mesmo que as crianças saibam nadar é necessário sempre que o adulto esteja próximo e atento às brincadeiras, principalmente quando brincam com barcos e colchões de água.
– Não deixar mergulhar, as crianças, em sítios desconhecidos e não permitir saltos mortais ao entrar na água;
– Evitar dar refeições “pesadas” e aguardar três horas antes da criança entrar na água; – Preferir sempre praias vigiadas e com bandeira azul.

https://i1.wp.com/oglobo.globo.com/fotos/2008/01/15/15_MVG_ver_piscina1.jpg

A maioria dos locais de lazer de verão (praias, piscinas) ainda são locais inseguros para as crianças e jovens. Com frequência acidentes por submersão são causa de lesões neurológicas graves e irreversíveis nos sobreviventes.
A água exerce um enorme fascínio sobre as crianças. Elas sentem-se irresistivelmente atraídas, seja por um poça de água, um tanque ou uma piscina. Contudo as crianças até se podem afogar numa banheira!
Quando se trata de uma criança, o drama acontece em poucos segundos, Basta um momento de distracção, um olhar para o lado, um telefone que se atende para que uma qualquer fonte de água se possa transformar numa ameaça. As crianças não esbracejam nem gritam: afogam-se em silêncio

Entre 2003 e 2004, segundo o ONSA – Observatório Nacional de Saúde – morreram por afogamento 81 menores com idades compreendidas entre 1 e 18 anos de idade, numa média de 27 por ano.


Nos países onde a segurança é imperativa, é mesmo proibido arrendar ou comprar um apartamento num condomínio onde a piscina não cumpra os requisitos de segurança, tendo sido este drama que aconteceu com Flávia, que está em coma há 12 anos após afogar-se na piscina do prédio onde morava no Brasil, porque os seus cabelos ficaram presos no ralo da piscina.
Contudo em Portugal não é somente em complexos turísitcos que acontecem a maior parte dos acidentes, pois cerca de 80% dos afogamentos no Algarve acontecem em piscinas privadas.

No relatório sobre “Afogamentos de crianças em Portugal em 2007 e 2008”, apresentado em Vilamoura pela Associação Portuguesa de Segurança Infantil (APSI), pode ler-se que “os afogamentos acontecem mais nas crianças com idades até aos quatro anos”, havendo uma maior prevalência em crianças do sexo masculino.

Ainda segundo a médica pediatra Elsa Rocha, também membro da APSI, no Sul verifica-se que dos zero aos 18 anos há mais afogamentos em piscinas, enquanto que no norte o pico de afogamentos é em rios, ribeiros e lagoas. A maioria dos afogamentos em Portugal ocorre em Maio e Setembro (Primavera/Verão) e enquanto que ao Hospital Central de Faro (HCF) os casos que mais surgem são em piscinas privadas, nos hospitais do Porto e Coimbra há mais registos de afogamentos em poços, fossas e tanques.



“O que a APSI quer das autoridades”, referiu Elsa Rocha é claro e vem sendo repetido continuamente há anos:
1. O Governo e as autoridades locais devem trabalhar em parceria, unir esforços, com as organizações da sociedade civil e as populações pois a redução da mortalidade por afogamento só pode ser eficaz com estratégias concertadas e adaptadas às realidades locais.
2. É urgente a recolha e tratamento atempados dos dados sobre afogamentos, de forma a que existam dados oficiais; só assim, a verdade nacional sobre esta problemática poderá ser conhecida na sua real dimensão e se poderão definir estratégias direccionadas e eficazes.
3. A obrigatoriedade da protecção de piscinas com barreiras físicas, nomeadamente em habitações, condomínios e aldeamentos turísticos deve ser regulamentada. De relembrar que a maioria das crianças afogadas no Algarve não são residentes e sim pertencentes a famílias em férias, que alugam casas. Os senhorios deverão assegurar a segurança das suas propriedades, à semelhança do que já acontece em França. Na Nova Zelândia, Austrália e Suécia, em que a colocação de vedações em piscinas é obrigatória há vários anos, o número de mortes em piscinas sofreu uma redução considerável. “O número de acidentes em piscinas no Algarve, por exemplo, é assustador. Temos que agir rapidamente para que o drama das piscinas no Algarve não contamine todo o País.
4. A aplicação  da legislação sobre protecção de tanques e poços é fundamental. Existem relatos de casos de afogamentos relacionados com o abandono e deficiente protecção de tanques e poços, que para além de colocarem em risco a vida das crianças, colocam também em risco a vida de quem as tenta salvar. Estes casos mostram a ineficácia da legislação e fiscalização das condições de segurança já previstas na lei, e a urgência da sua revisão.
5. É urgente a aplicação da Lei de 2005 que define o regime de segurança dos banhistas.



6. É fundamental a inclusão da formação em primeiros socorros em todos os currícula escolares, nomeadamente ao nível do 3º ciclo do ensino básico, já que do socorro imediato e eficaz dependerá a vida ou a qualidade de vida futura da vítima. Além disso, o estudo da APSI revela que na maioria dos casos, os familiares e populares são os primeiros a prestar socorro e a qualidade desse socorro é, sem dúvida, determinante”.
O Instituto de Socorro a Náufragos tem sido um
organismo humanitário responsável pela direcção técnica dos serviços de salvamento de vidas humanas nas áreas marítimas e fluviais de Portugal.

Os conselhos que se seguem (essencialmente para pais) são da sua autoria:


http://inseguranca.no.sapo.pt/praias3.html#N%C3%A3o%20nade%20contra%20a%20corrente

-Conselhos para toda a família: A prevenção é a melhor maneira de evitar acidentes com as nossas crianças e connosco;

⋅ Devemos estar sempre atentos às brincadeiras das crianças, bem como aos sintomas e sinais que apresentam quando existe uma situação de esgotamento devido ao calor (grande sudação, palidez cutânea ou pele fria ou húmida, pulso fraco e rápido, respiração rápida e superficial, cãibras musculares, dor de cabeça, cansaço e fraqueza, náuseas e vómitos, desmaio)

Na situação de esgotamento devido ao calor que se deve à perda excessiva de líquidos e de sal pela sudação, a situação torna-se especialmente grave nas pessoas idosas e nas pessoas com hipertensão arterial.
Se os sintomas forem graves, ou se a pessoa tiver problemas de coração ou tensão alta, deve procurar ajuda médica imediata. Se os sintomas não forem graves, ou enquanto o médico não chega, deve-se fazer arrefecimento, hidratação e proporcionar descanso.

Para evitar todas estas situações, proteja-se da exposição ao sol e procure locais frescos, ou com ar condicionado, durante o período de maior calor, em especial se estiver acompanhado de crianças pequenas, pessoas doentes ou pessoas idosas.


No caso das cãibras, embora menos grave que as anteriores, esta situação pode também necessitar de tratamento médico. Manifesta-se por espasmos musculares, em especial das pernas e abdómen e forte transpiração.
Normalmente afecta as pessoas que transpiram muito, devido a exercício físico intenso, podendo também acontecer, apenas, devido ao calor. As cãibras são especialmente perigosas nas pessoas com problemas cardíacos ou com dietas hipossalinas (pobres em sal).

O que se poderá fazer?
– Parar o exercício;
– Procurar um local fresco e calmo;
– Beber sumos de fruta natural sem açúcar ou bebidas com minerais (bebidas dos desportistas).
– Procurar o médico se as cãibras se mantiverem por mais de 60 minutos.

Para mais informação contacte a:
SAÚDE 24: 808 24 24 24

Artigo actualizado pela Equip@ de Enferm@gem Pedi@tric@

Anúncios

Read Full Post »